terça-feira, 24 de novembro de 2015

Jaime Neves dá-me a tua camisola


25 de Novembro Sempre, Comunismo nunca mais.




Se a data de 25 de Abril aparece frequente e justamente proclamada acompanhada dos votos de um não retorno a um certo tipo de sociedade do passado, a data de 25 de Novembro deveria ser tão frequentemente proclamada quanto a outra, só que o seria acompanhada dos votos por se ter conseguido evitar a adopção entre nós de um certo modelo social de futuro…

Hoje é 25 de Novembro. Obrigado aos militares que souberam travar a loucura de alguns dos portugueses, entre os quais eu me encontrava. Imaginem, amigos, se os SUV, PCP tivessem vencido e tomado o poder nesse dia?
Em que país viveríamos agora? Que mausoléu estaria edificado no alto do Parque Eduardo VII, no lugar onde se encontra o pirilau levantado pelo escultor Cutileiro?
Que estátua iria estar na Praça do Comércio, no lugar de D. José, a apontar com o braço direito para o local onde tinha estado a estátua do Cristo-Rei, destruída à bomba por não se encaixar na nova Lisboa socialista?
Que polícia estaria instalada na antiga sede da PIDE, na António Maria Cardoso? Como se chamariam clubes como Benfica, Sporting e Porto? Talvez “Operários do Benfica”, “Dínamo de Alvalade” e “CSKA do Porto?”
Que figura substituiria Pombal na Rotunda de Lénine, que ligava à Avenida Lénine, Avenida Estaline, etc.?
Onde ficaria a gigantesca piscina de água quente a céu aberto? No lugar do Panteão ou dos Jerónimos?
Não obstante o meu país se encontrar no estado em que todos conhecemos, continuo a acreditar que os militares do 25 de Novembro entrarão na História de Portugal com uma glória tão grande como aqueles que fizeram o 25 de Abril. Afinal, foram muitos os que participaram nesses dois acontecimentos fulcrais para os destinos do meu país.
E espero que nunca mais seja necessário que os militares saiam dos quartéis para resolver os problemas que os políticos civis não conseguem resolver.
José Milhazes, no facebook.


sexta-feira, 4 de junho de 2010

Hoje morreu um Filho da Puta

 

]REPARTIÇÃO DE GABINETE DO GOVERNO-GERAL[/u]


LUANDA, aos 22 de Dezembro do 1974.
Camarada Agostinho Neto
A FNLA e a UNITA insistem na minha substituição por um reaccionário que lhes apare o jogo, o que a concretizar-se seria o desmoronamento do que arquitectamos no sentido de entregar e poder unicamente ao MPLA. Apoiam-se aqueles movimentos fantoches em brancos que pretendem perpetuar o execrando colonialismo e imperialismo português - o tal da Fé e do Império, o que é o mesmo que dizer do Bafio da Sacristia e da Exploração do Papa e dos Plutocratas.
Pretendem essas forças imperialistas contrariar os nossos acordos secretos de Praga, que o camarada Cunhal assinou em nome do PCP, afim de que sob a égide do glorioso PC da URSS possamos estender o comunismo de Tânger ao Cabo e de Lisboa a Washington.
A implantação do MPLA em Angola é vital para apearmos o canalha MOBUTU, lacaio do imperialismo e nos apoderarmos da plataforma do Zaire.
Após a última reunião secreta que tivemos com os camaradas do PCP, resolvemos aconselhar-vos a dar execução imediata à segunda fase do plano. Não dizia Fanon que o complexo de inferioridade só se vence matando o colonizador? Camarada Agostinho Neto, dá, por isso, instruções secretas aos militantes do MPLA para aterrorizarem por todos os meios os brancos, matando, pilhando e incendiando, afim de provocar a sua debandada de Angola. Sede cruéis sobretudo com as crianças, as mulheres e os velhos para desanimar os mais corajosos. Tão arreigados estão à Terra esses cães exploradores brancos que só o terror os fará fugir. O FNLA e a UNITA deixarão assim de contar com o apoio dos brancos, de seus capitais e de sua experiência militar. Desenraízem-nos de tal maneira que com a queda dos brancos se arruine toda a estrutura capitalista e se possa instaurar a nova sociedade socialista ou pelo menos se dificulte a reconstrução daquela.

Saudações revolucionárias


A Vitória é certa

António Alves Rosa Coutinho
Vice-Almirante

quarta-feira, 2 de junho de 2010

Os Pacifistas Terroristas….

 

Israeli defense officials now say dozens of passengers who were aboard the Turkish ship Mavi Marmara, the scene of a bloody showdown with Israeli commandos Monday, are suspected of having connections to terrorist organizations. The Israeli Army says it's identified 50 passengers on the ship with terrorist links.

It's known the flotilla of 6 ships was in part organized by the IHH group in Turkey, which reportedly has links to Al Qaeda. And three members of Yemen's Parliament, from the Islah Party, were also among the more than 600 activists detained by Israel after ships refused to stop for Israeli patrol boats and were boarded by Israeli Navy SEALs who eventually opened fire, killing 9 people. The Islah party is also said to have shadowy links to Al Qaeda. Both groups certainly support the Hamas organization in Gaza.

sexta-feira, 12 de março de 2010

O PREC, entre o Abismo e o Terror

Cumprem-se hoje 36 anos sobre o início do PREC (Processo Revolucionário em Curso), um curto período de oito meses em que Portugal experimentou o pesadelo comunista.

Foi durante o PREC que o PCP se alçou a construir em Portugal uma sociedade socialista revolucionária, suprimindo as ténues liberdades até então conseguidas, ameaçando seriamente o pluralismo político e promovendo perseguições na sociedade, purgas nas forças armadas e saneamentos na administração pública. Nesse período se instituiria o COPCON, a polícia política do gonçalvismo, que ficaria tristemente célebre pelos mandados de prisão em branco.

Foi durante o PREC que a economia do País foi destruída, através das nacionalizações e das colectivizações selvagens, as quais comprometeram durante décadas o desenvolvimento e o progresso económico do País.

Foi finalmente durante o PREC que a descolonização foi apressada, abandonando-se criminosamente as populações que viviam no antigo Ultramar português (fomentando guerras civis em Angola e Moçambique que custariam centenas de milhares de mortes), em clara obediência a ordens da Rússia soviética.

A chamada 'contra-revolução fascista' de 11 de Março foi, afinal, o início de um pesadelo em que Portugal esteve à beira do abismo e sofreu o terror do comunismo.

E, bom é não esquecer, só devido ao 25 de Novembro o verão quente de 75 não redundou em guerra civil.

quinta-feira, 11 de março de 2010

Os putos Charilas…..

Dois rapaz foram violentamente espancados por populares numa freguesia do Concelho de Viana do Castelo.

Aparentemente as agressões foram efecutadas por populares que fartos dos contantes actos de vandalismo praticados pelos jovens decidiram fazer justiça pelas próprias mãos.

Entretanto um dos agredidos morreu devido á violencia das agressões.

Os culpados devem ser entregues à justiça e deverão pagar pelo que fizeram, mas isto só vem provar que a nossa justiça anda de rastos e as pessoas cada vez mais vão começar a resolver os seus problemas pelas suas próprias mão.

E não falta muito para que pais de miudos constantemente agredidos por colegas da escola comecem a fazer pelas suas mãos o que a justiça não faz.

quarta-feira, 6 de janeiro de 2010

Mon ami Soares

do Corta-Fitas

Todos ainda recordamos o que foram as tristemente célebres FP-25 de Abril.

Um bando de terroristas de extrema-esquerda que conseguiu a assassinar, a tiro e à bomba, creio que 18 cidadãos inocentes.

Tudo em nome de uma pretensa legitimidade revolucionária. Tudo em nome da transformação violenta da sociedade rumo ao comunismo.

Todos nos lembramos, também, que Otelo Saraiva de Carvalho foi a figura mais importante a estar envolvida nas FP-25 de Abril.

Outros houve, porém, menos conhecidos, cujo currículo faz igualmente jus à sua participação naquela organização criminosa.

É o caso de Óscar Gonçalves, ex-operacional das FP’s, que estava também “indiciado por vários roubos à mão armada”, mas que, segundo o Correio da Manhã, foi libertado em 1996 por Mário Soares, então Presidente da República.

Agora é acusado pelo Ministério Público da prática de crimes de associação criminosa, roubo agravado e furto qualificado. Estará envolvido num gang do Multibanco que terá perpetrado 174 assaltos e roubado mais de 2 milhões de euros, entre outros feitos agora recordados pelo referido jornal.

Mas o que aqui interessa verdadeiramente é saber como foi possível um Presidente da República indultar um indivíduo operacional de uma associação terrorista.

Sendo tal inaceitável à luz dos interesses do Estado, além de uma ofensa à memória das vítimas, talvez se perceba aquele indulto se consideramos que o seu autor veio mais tarde defender publicamente o diálogo entre países democráticos e a al-Quaeda de Bin Laden, com o hilariante argumento de que os objectivos desta deveriam ser “percebidos”…

segunda-feira, 4 de janeiro de 2010

Jerónimo lava mais branco

in Corta Fitas

O camarada Jerónimo de Sousa resolveu ontem afirmar que “assistimos a uma poderosa operação de branqueamento do fascismo”.

Pois é.

Quase tão branqueadora como a que ele próprio ensaiou há dois meses, a propósito da queda do Muro de Berlim, a qual apenas lhe mereceu o seco comentário de que o Mundo está hoje “pior” (?) do que quando existiu essa vergonhosa vedação erguida pelos regimes comunistas de que ele é tão saudoso.

Aliás, por falar em branqueamentos, lembro-me sempre dos mais de cem milhões de mortos que o comunismo provocou e que o colocarão para sempre no guinness da infâmia, crimes que não consta terem alguma vez sido objecto de crítica por parte do Partido Comunista cá da terra.

E nem poderia ser de outro modo porque a matriz ideológica do PCP assenta ainda e desde sempre numa concepção estalinista do poder e da revolução.

quarta-feira, 25 de novembro de 2009

25 de Novembro sempre. Comunismo nunca mais.

A grande mudança de rumo neste pais foi num dia 25, mas não foi o de Abril.

O dia 25 de Novembro de 1975 representa o fim de TODAS as formas totalitárias que quiseram dominar este pais durante o século passado.

Lembrei-me também de outro 25 de Novembro de 1917, num país bastante distante do nosso. Nessa pais ouve pela primeira vez eleições livres, e tal como cá também os comunistas perderam redondamente.
Mas ao contrário de Portugal, nesse pais a assembleia eleita apenas teve 1 dia de democracia. OS comunista tomaram o poder e nunca mais de lá saíram até à poucos anos.
Ainda no outro dia se festejou essa saída.

25 DE NOVEMBRO SEMPRE, COMUNISMO NUNCA MAIS.